Notícias do mercado imobiliário

Tratamento de lixo pode gerar 0,5MWh por tonelada

Para especialistas, tratamento térmico dos resíduos são o melhor investimento de longo prazo
O Congresso Mundial de Resíduos Sólidos ISWA 2014, realizado nesta semana em São Paulo, reuniu especialistas de diversos países, que afirmaram que as tecnologias disponíveis para tratamento do lixo permitem gerar aproximadamente 0,5 MWh de eletricidade por tonelada de resíduo.

Entre eles é unânime a opinião de que as soluções para tratamento térmico dos resíduos são o melhor investimento no longo prazo, ou seja, de 10 a 50 anos, garantindo não só o retorno do capital, mas principalmente benefícios ambientais.

Segundo Ljupka Arsova, da GBB Consultants, os Estados Unidos, onde 54% dos resíduos ainda seguem para aterros sanitários, contam atualmente com 80 plantas de waste-to-energy (WTE) em operação, que juntas produzem 2.554MW de energia.

“Por meio das várias tecnologias de recuperação energética dos resíduos, como a gaseificação, a pirólise e a digestão anaeróbica, é possível não só gerar eletricidade, mas também obter químicos e biocombustíveis a partir dos resíduos”, acrescentou a consultora.

Efstratios Kalogirou, do Global WTERT Council, afirmou que com 0,5 MWh de energia é o suficiente para abastecer 500 casas. “Apesar do custo de operação de uma planta de WTE ser o dobro do custo de um aterro, os benefícios ambientais de longo prazo mais do que justificam o investimento”, enfatizou o especialista.

Atualmente, os países desenvolvidos usam as tecnologias de WTE como a principal solução para tratamento dos resíduos pós-reciclagem mecânica. “Diferentemente do que se pensa, são justamente os países com maiores índices de reciclagem que apresentam os maiores índices de recuperação energética dos resíduos”, destacou Christopher Cord Homme, da CNIM, ao explicar que cerca de 40% dos resíduos separados no processo de coleta seletiva são efetivamente recicláveis.

“O restante é rejeito, para o qual a solução é a recuperação energética”. O especialista defende a construção de plantas mistas, que contemplem reciclagem mecânica, tratamento térmico e compostagem.
23/09/2014

Últimas notícias